domingo, 15 de março de 2015

Faith No More: Do Pior ao Melhor

Imagem Ilustrativa
A discografia do Faith No More avaliada na série "Do Pior Ao Melhor"
Após um longo hiato, o Faith No More voltou de forma definitiva e lançou o seu primeiro disco de inéditas após 18 anos. Recentemente, o grupo veio ao Brasil como uma das principais atrações do Rock in Rio e se apresentaram também em São Paulo. Cultuado por muitos dos nossos leitores, o Rock On Board decidiu preparar um guia especial Faith No More: do pior ao melhor - analisando a discografia da banda de Mike Patton e cia. 

Por Bruno Eduardo

 7 'We Care A Lot' (1985) 
Por ter sido o único álbum do grupo longe de uma grande gravadora, We Care A Lot é muitas vezes esquecido pelos fãs da banda. No entanto, chega a ser unânime a sua colocação entre os menos queridos do grupo. Com uma produção despojada, o álbum alterna momentos de teclados contagiantes e vocais monótonos. Tudo bem, Chuck não é um vocalista dos mais bem dotados tecnicamente, mas ele até que funciona bem em algumas faixas mais esdrúxulas como "We Care A Lot" e "The Jungle". O álbum possui alguns drops fortes como "Arabian Disco", "As The Worm Turns" e a instrumental "Pills For Breakfest", mas talvez por ser um trabalho de curta duração, fica a impressão que o grupo desperdiça munição em vários momentos. Sem hits de sucesso, We Care A Lot pode ser considerado um esboço mal acabado do que se tornaria o Faith  No More no fim dos anos oitenta.  

 6 'Album Of The Year' (1997) 
O último álbum antes do fim é marcado por uma fase tensa, onde os integrantes sequer se reuniram para escrever. Mike Patton, por exemplo, nem entrou em estúdio com a banda e gravou sua parte em impressionantes cinco horas ininterruptas. Mesmo assim, Album Of The Year é considerado a melhor atuação de Patton. Com vocais brilhantes e vigorosos - como pode ser ouvido na atmosférica "Ashes To Ashes" - o vocalista apresentou um vasto repertório de timbres, chegando ao ápice na levada particular de "Helpless". Esse é também o primeiro disco com o guitarrista atual, Jon Hudson. Embora seja um álbum bastante subestimado pela crítica, Album Of The Year é talvez o disco que melhor tenha envelhecido com o tempo, pois é certamente o que mais se aproxima musicalmente do que a banda é nos dias de hoje. Ouça as pancadas "Collision", "Got That Feeling", ou a macia "She Loves Me Not", e comprove.


 5 'Introduce Yourself' (1987) 
O disco de estreia do Faith No More pela Warner - embora ainda com Chuck Mosley - mostra um avanço consistente ao modelo rock-punk-progressivo do trabalho anterior, e dá pistas claras da mistura que encantaria o mundo em The Real Thing. O álbum possui canções de forte pegada comercial como "Faster Disco" e "Anne's Song" e outras que acabaram ganhando força na voz de Mike Patton ("The Crab Song"). Para quem não sabe, a versão comercial da música "We Care A Lot" é a que está presente nesse disco - devido ao sucesso da música em rádios universitárias no ano de 1986, eles decidiram regravar a faixa e lançar como primeiro single em uma grande gravadora. Foi com Introduce Yourself que o Faith No More conseguiu realizar a sua primeira turnê na Inglaterra. Esse foi também o último disco com Chuck Mosley - demitido em um show no Reino Unido.


 4 'Sol Invictus' (2015) 
O primeiro disco do grupo em dezoito anos foi uma prova de que a banda não mudou tanto desde a sua última reunião em estúdio. Honesto e cheio de boas ideias, Sol Invictus consegue ser nostálgico ("Superhero") e exótico ("Black Friday") na medida. Mesmo sem o peso que marcou a carreira em álbuns consagrados, eles capricharam nas melodias particulares e se garantiram na cozinha afiada de Gould / Bordin e na habilidade vocal de Mike Patton. Faixas como "Separation Anxiety", "Sunny Side Up", e principalmente, "Matador", já fazem parte da seleta lista de melhores canções do grupo em todos os tempos. Sol Invictus foi o primeiro disco da banda lançado pelo selo Ipecac Recordings, gerenciado por Patton e conta com a mesma formação de Album Of The Year.

 3 'King For A Day Fool For A Lifetime' (1995) 
A saída do guitarrista Jim Martin deu liberdade total para que o grupo - liderado pela cabeça insana de Mike Patton - pudesse expôr todas as suas influências musicais em apenas um disco. Acertando em cheio na escolha de Trey Spruance como guitarrista, o FNM trocou os riffs 'sabbathicos' pelas frases suingadas de "Evidence" e os solos jazzísticos de "Star A.D.". Muitos defendem a tese de que King For A Day não apresenta uma sonoridade tão característica à discografia do grupo, pela simples ausência dos teclados - na época, Roddy Bottum se recuperava de problemas com drogas. Porém, é um disco que representa com honestidade tudo o que eles pensavam em ser como uma banda real. Faixas como "The Gentle Art Of Making Enemies", "Get Out" e "Just A Man" são as que melhor retratam a proposta esquizofrênica e sincopada do disco. Vai ter fã reclamando por ele não estar no topo da lista.


 2 'The Real Thing' (1989) 
Se o Faith No More é o Faith No More e se Mike Patton é o Mike Patton, a culpa original é de The Real Thing, o disco que transformou, que mudou, que deu vida a essa banda. Com este álbum, o Faith No More virou moda nos quatro cantos do planeta - aqui no Brasil então, foi uma febre quase incurável. The Real Thing traz um rock enérgico - com tendências ao hard/trash - e ao mesmo tempo inteligente. Considerado o álbum do ano por tabloides conceituados (como Spin e Kerrang), a bolacha conseguia misturar as exóticas influências de seus integrantes, e, ainda assim, tinha um som original para a época. Hits como "Epic", "Falling To Pieces", "From Out Of Nowhere" e "Edge Of The World", garantiram milhões de cópias vendidas e uma tietagem ensandecida. Embora muitos creditem a entrada de Patton na banda como desencadeador do sucesso, a cozinha Gould/Bordin foi o que realmente garantiu o grupo como ícone do funk o'metal mundial.


 1 'Angel Dust' (1992) 
A banda que ficou conhecida por fazer proposta completamente variada, começou a bizarrice em Angel Dust. No disco, apenas “Everything’s Ruined” chega perto do Faith No More de 1989, o resto é algo completamente imprevisível e multi-compostoConsiderado o álbum do ano pela Q Magazine, e pela revista alemã Musik Express Sounds, Angel Dust tornou-se a obra prima do chamado nu-metal - sendo eleito pela Kerrang como o álbum mais influente do metal nos anos 90. Aqui, Patton começou a desenvolver a sua variedade vocal, experimentando novos timbres e abusando de letras subjetivas e poéticas - ouça "RV" e "Land Of Sunshine". Se a interpretação de Patton foi um ponto alto - artisticamente falando - comercialmente a imagem "fácil" do vocalista foi desintegrada. Entre banhos de urina, defecação em programas de rádio, Patton tornou-se uma figura cult e abominável. E nada mais foi como antes. Repleto de ideias subversivas, Angel Dust pode ser considerado o último suspiro juvenil do Faith No More. Depois disso, o imprevisível passou a ser o maior rótulo da banda; e independente das insanidades sonoras, ninguém nunca mais foi pego de surpresa. Este é o último disco de Jim Martin, e conta com a cover super popular de "Easy" dos Commodores.

4 comentários:

  1. Excelentes resenhas. Eu gostava desse lado do Patton que desprezava a mídia. Quando ele finalmente se rendeu aos holofotes, mostrando que estava mais interessado na grana, pra mim, acabou. Eu, como batera, sempre admirei a banda principalmente pelo Mike Bordin. O Patton era o tempero que completava. Nem preciso falar do baixo matador do Gould. Ele, por si só é outro componente da banda que admiro. Não só pela musicalidade, como também pelo caráter. Atualmente a banda virou um caça-níquel. Bom, pelo menos é bom pra essa nova geração ouvir esse novo FNM do que a grande maioria do que é enfiado goela abaixo pela mídia.

    ResponderExcluir
  2. Outro fato que esqueci de comentar: Hoje em dia, vejo claramente a falta que o Jim Martin faz ao Faith No More. Sem ele, a banda virou uma banda qualquer. Acabaram as diferenças que ela tinha internamente, que, na minha opinião, era o que fazia dela uma banda diferenciada, original, criativa e o principal: pesada! muito mais pesada!

    ResponderExcluir
  3. cara, eu gosto muito do angel dust pra mim tbm é o melhor... Album Of The Year eu não gostava não no começo que conheci a banda...hj em dia ele é um dos meus favoritos, na vdd é ate complicado dizer pra vc qual é o favorito...eu gosto de toda a discografia da banda; Vou escutar no meu carnaval, oops na vdd vou continuar escutando porque eu não canso deles;

    ResponderExcluir
  4. Introduce Yourself pra mim só perde pro Angel Dust, tu rateou ele muito mal cara rsrsrs. Depois, em terceiro, acho que vem o The Real Thing e entre o king for a day e o album of the year eu nao consigo decidir hahah. Esse novo albúm eu ainda vou escutar, mas deve ficar entre os últimos junto com o We care a lot msm. Vlw !!

    ResponderExcluir