sábado, 23 de setembro de 2017

Rock in Rio 2017: Repleto de sucessos, Bon Jovi faz show na medida para novos e antigos fãs

Jon Bon Jovi demonstrou alegria durante toda a apresentação (Foto: Adriana Vieira)
Por Marcelo Alves

Você pode dizer que Jon Bon Jovi tem um monte de defeitos, mas nunca poderá acusá-lo de ser preguiçoso. Muitos músicos que tivessem o mesmo número de hits dele na carreira ficariam tentados a fazer um show para a galera, como normalmente pedem os grandes festivais. É seguro e de fácil aceitação. O Bon Jovi, porém, fez a acertada aposta na mescla do novo com um punhado de sucessos da carreira num equilíbrio quase que equânime entre os clássicos do passado, quando a banda construiu a sua fama, e músicas retiradas dos álbuns lançados nos últimos 15 anos, a maioria deles de menor impacto do que discos como 'Slippery When Wet' (1986), 'New Jersey' (1988), 'Keep The Faith' (1992) e 'These Days' (1995). 

Foram 21 músicas em um espetáculo que pode-se dizer que agradou ao fã de carteirinha e ao fã dos hits radiofônicos. Talvez só os que não se incluem nos dois grupos tenham ficado com tédio no show que encerrou a noite do dia 22 do Rock in Rio. 

Com um álbum novo na praça - 'This House is Not For Sale' foi lançado no ano passado - o Bon Jovi deu uma sacudida no set list como quem mostra que está bem depois da saída do guitarrista Richie Sambora por "razões pessoais". Com isso, ficaram de fora baladas amadas pelos brasileiros como "Always" e "I'll Be There For You", que até estava prevista no set list inicial de 23 canções, mas foi cortada junto com "In These Arms". 
Jon Bon Jovi deu aos fãs o que eles esperavam: sucessos (Foto: Adriana Vieira)
Fizeram falta? Para o fã, talvez. Para a dinâmica do show, nem um pouco. Até porque, o Jon Bon Jovi burocrático do Rock in Rio de 2013 deu lugar a um cantor com muita vontade de fazer um grande show para a plateia em 2017. Embora a voz já não seja a mesma de outrora, notava-se claramente como o cantor parecia bem e satisfeito no palco. 

Se Sambora, que deixou a banda em abril de 2013, faz falta é só pela presença de uma figura importante na carreira do Bon Jovi, como dono e parte da história dela. Pois, na prática, o novato guitarrista grego-canadense Phil X dá conta do recado reproduzindo muito bem as notas dos principais sucessos do grupo, como na balada "Bed of Roses", talvez o momento em que ele mais teve a chance de brilhar. 

Reproduzir os solos e as notas de Sambora é o que Phil X mais terá que fazer até poder exibir algo mais autoral nos shows. O mais recente álbum foi apenas o primeiro do qual ele participou como membro efetivo do Bon Jovi. Mas a julgar pela faixa título, ele já pegou o jeito. "This House is Not for Sale" é um típico pop rock do Bon Jovi. Tem um refrão que fica na cabeça, uma batida característica e uma letra boa de cantar. Todo disco da banda tem pelo menos uma canção assim desde "Runaway" lá no primeiro álbum lançado em 1984. 
Phil X  agradou os fãs e foi fiel nos solos criados por Sambora (Foto: Adriana Vieira)
Aliás, daria para fazer uma apresentação só com elas. Só no show desta sexta-feira teve ainda "Have a nice Day", que é uma boa canção, e "It's My Life", que provocou erupções vulcânicas na Cidade do Rock. Foi uma das músicas mais cantadas pela plateia, não ficando a dever para clássicos como "You Give Love a Bad Name" e "Livin' On a Prayer", que costumeiramente fecha os shows do Bon Jovi.

O público pareceu gostar e nem se incomodou muito com os problemas do som, que chegou a ficar muito baixo em três oportunidades. Nada que atrapalhasse a performance da banda que pode até não ter ganhado um novo fã por conta deste show, mas obteve muito sucesso pregando para os já doutrinados.

Cobertura #rockinrio2017
Continue ligado na nossa cobertura oficial Rock in Rio. Curta a nossa fã page no facebook e siga @rockonboard no twitter e instagram e tenha tudo antes.

0 comentários:

Postar um comentário