sexta-feira, 1 de maio de 2015

O interminável drama de Scott Weiland


Por Bruno Eduardo

Nos últimos dias, veículos especializados em rock vêm destacando alguns vídeos bizarros de Scott Weiland visivelmente alterado em um show no Texas. Por possuir um vasto histórico de problemas com drogas, é impossível não cogitar uma recaída. Porém, o empresário do músico garantiu que não. Segundo ele, Scott estaria sob efeitos de "cansaço e algumas bebidas". [Assista o vídeo abaixo, e tire conclusões]


Após ser demitido do Stone Temple Pilots, Scott Weiland caiu na estrada com o grupo The Wildabouts, e lançou recentemente o álbum "Blaster" [leia a resenha aqui]. Tudo parecia caminhar para um recomeço, mas a morte de seu amigo - e guitarrista - Jeremy Brown foi um golpe pesado e que abalou demais o cantor. "Estou em estado de choque. Todos que o conheciam estão devastados. É uma perda terrível que não temos palavras para descrever. Ele era um de meus melhores amigos, um amigo confiável e um dos mais talentosos guitarristas que já conheci. Um verdadeiro gênio", disse em seu perfil social.

Brilhante no estúdio e desastroso na estrada

A biografia de Scott Weiland é marcada em sua totalidade por polêmicas. Quem acompanha a carreira do músico, sabe que há mais de duas décadas ele vem dividindo os palcos do mundo com celas de cadeias e quartos de clínicas para reabilitação. Dentro de estúdio Scott sempre foi magnífico. Sua capacidade artística sempre lhe rendeu registros marcantes - seja com o STP, com o Velvet Revolver, ou isolado (12 bar blues). No entanto, seus ex-colegas sempre consideraram Weiland um fardo pesado demais para se carregar na estrada. 

Por conta de sua conturbada relação com as drogas (heroína e álcool), ele nunca conseguiu se manter fisicamente saudável para aguentar o ritmo das excursões. Já em 1994 - apenas dois anos após conhecer a fama - o Stone Temple Pilots começava a sentir o golpe. Seus dois discos mais aclamados (Purple e Tiny Music...Songs From The Vatican Gift) sequer tiveram uma turnê de divulgação. Já os posteriores foram interrompidos, ou impedidos de fazer sucesso. Em 1999, com duas semanas de lançamento do disco 4., Scott foi condenado a um ano de prisão por uso de drogas - ele cumpriu sete meses. De acordo com o próprio, essa teria sido a última vez que ele estivera envolvido com heroína. 

Porém, Richard Patrick, vocalista do Filter, que teve uma banda chamada Army of Anyone com Robert e Dean DeLeo (guitarrista e baixista do Stone Temple Pilots), desmentiu ao afirmar que seus companheiros continuavam sofrendo com os devaneios do vocalista. "Quando eu estive no Army of Anyone, por anos trabalhando e produzindo o álbum, eu ouvi um monte de coisas sobre como era estar em uma banda com Scott. É triste que três caras tenham que sentar e esperar para que alguém apareça para um ensaio. E eles estiveram lá por duas semanas de trabalho, e o cantor sequer apareceu. É patético." 

Richard ainda culpou os fãs pela postura de Scott Weiland. Para ele, o fato dos fãs pedirem a volta dele ao Stone Temple Pilots é como empurrá-lo para a morte. "Na verdade... eles estão empurrando Scott para a morte, porque eles estão fazendo-o acreditar que tudo o que ele fez é aceitável. E que ele pode ficar tão chapado e usar tantas drogas quanto quiser", disse.

O Stone Temple Pilots começou a trabalhar com Chester Bennington do Linkin Park em 2013, logo após demitirem Scott Weiland. Até agora eles lançaram um EP chamado "High Rise". Um retorno do vocalista está completamente fora de questão, já que a saída foi marcada por processos judiciais de ambas as partes.

Mesmo que tudo não passe de polêmicas e acusações vazias, a última apresentação do cantor voltou a acender o sinal de alerta. Afinal, o rock não precisa mais de histórias como essas - e nem dos mesmos finais.


0 comentários:

Postar um comentário