Últimas

Post Top Ad

Your Ad Spot

Que venha o Grammy! The Baggios mantém nível criativo em 'Tupã-Rá'

The Baggios: banda aposta em muitas influências no novo álbum
 

The Baggios

Tupã-Rá
⭐⭐⭐ 5/5

Por  Ricardo Cachorrão 

E o conturbado ano de 2021, da pandemia, do negacionismo e do genocídio, vai caminhando para o final, com vacinação em alta, a vida retornando aos poucos ao normal e com grande notícia musical: acaba de ser lançado Tupã-Rá, quinto e excelente álbum de estúdio da rapaziada sergipana do THE BAGGIOS.

 

Fundada em 2004, a banda tem o grande mérito de não se acomodar e sempre inovar, através da introdução de ritmos e batidas diferentes ao seu poderoso som, que ganha cada vez mais adeptos, não apenas dentro do público rock, mas também da MPB.

 

Fazendo uma retrospectiva, em 2011, depois de lançar demo e singles, e com formação definida no duo Julico Andrade, na voz, guitarra, violão e baixo e Gabriel Perninha, na bateria, lançam seu primeiro disco: o autointitulado The Baggios, blues-rock, com pitadas de guitarband garageira e o delicioso sotaque vindo do nordeste brasileiro, já deixavam claro que chegavam firmes, fortes e com um futuro brilhante os esperando.

 

Em 2013, calejados como uma banda de estrada, tocando e cativando em festivais espalhados por todo o país, chega o segundo disco, Sina. E para quem pudesse achar que o primeiro trabalho foi um acaso, neste, eles mostram que ninguém deveria duvidar, pois conseguiram aprimorar e melhorar o que já era ótimo. O disco vem com mais peso e mais influências incorporadas, como xote e folk, numa salada pra lá de boa.

 

Os conheci em 2016, quando saiu o terceiro e brilhante álbum Brutown, uma obra-prima, desde a inspirada capa, de autoria de Neilton Carvalho, artista plástico e também guitarrista da banda pernambucana DEVOTOS. Um disco forte e coeso, repleto de participações especiais, como Emily Barreto (FAR FROM ALASKA), Gabriel Thomaz e Érika Martins (AUTORAMAS), Jorge Du Peixe (NAÇÃO ZUMBI) e Fernando Catatau (CIDADÃO INSTIGADO). Foi nesse ano também que foram convidados a tocar no festival Lollapalooza, em São Paulo.

 

Chega o ano de 2018, e a banda conta com a efetivação de Rafael Ramos como membro da trupe (teclas e baixo – que já os acompanhava ao vivo desde 2016), assim, eles lançam Vulcão. Outro álbum onde participações especiais são bem vindas, aqui trazendo a cantora Céu e a banda BaianaSystem, num disco que é uma perfeita continuação de Brutown, continua vigoroso, com a mistura de ritmos característica desde o princípio, mas, em minha concepção, é um disco mais orgânico, mais apegado a terra, mais pessoal e com toques do psicodélico ao erudito.

 

Ano de 2020, um ano bem difícil, no meio de uma pandemia que afetou o mundo todo e nos fez repensarmos muita coisa, fazer autoanálise e nos situar no tempo e espaço. Tempo em que muitos de nós ficamos mais introspectivos, e, para um artista, foi o tempo exato de um voo solo, e foi por aí que o vocalista Julico lançou seu primeiro trabalho solo, o excelente Ikê Maré.

 

E... depois de tanta lenga-lenga, é hora de centrar em Tupã-Rá, o novíssimo trabalho de Júlio, Gabriel e Rafael. Disco que já chega com status de um dos melhores do ano. Abrindo com uma deliciosa mistura do suingue do baixo, com o teclado que me remeteu ao The Doors, e uma guitarrinha bem da psicodélica, “A Chegança” chega chegando, e, pelo menos no meu caso, não me deixou ficar parado. Sem tempo para respirar, a batida e o coro tribal de “Avia Menino!” invadem o ambiente.

 

O álbum continua com as conhecidas e famosas participações especiais, e aqui Chico César e Cátia de França emprestam seu talento em “Barra Pesada”, single que já havia sido liberado e trás de volta a banda ao som que a fez conhecida, com uma gostosa mistura de repente e embolada.

 

A suingueira continua com “Cura Taio”, e na faixa seguinte, “Espelho Negro”, a influência nítida é o samba, com introdução do baião com o andamento da música. Grande trabalho! “Clareia Trevas” vem logo depois, num trabalho mais rock and roll.

 

“Baggios Encontra Siba” é autoexplicativa, aqui o power-trio sergipano encontra o cantor pernambucano Siba, conhecido pelo trabalho com a ótima Mestre Ambrósio, além de coisas interessantíssimas, como Siba & A Fuloresta. Musicão da porra!

 

“Deixa Raiar” é outra onde o suingue fala alto, o som é todo bem encaixado, a linda marcação do baixo com a bateria seca e firme, metais bem colocados e a guitarra viajando e costurando tudo. “Senhor dos Passos” é um rockão que me remeteu a Raul Seixas... Sinceramente, não sei se alguém já pensou nessa relação, mas, foi o que senti ao ouvir. “Chuva” mantém o astral lá no alto, impossível de ficar parado com essa batida.

 

“Digaê!” tem instrumental onde a guitarra me fez lembrar o trabalho de Lúcio Maia na Nação Zumbi, tem um ritmo acelerado, com teclado e bateria frenética. Para finalizar, “Sun Rá”, bela canção que nada tem de novo, mas faz um belo apanhado de tudo o que ouvimos antes, peso, suingue, teclado setentista, voz que remete ao rock rural de Sá, Rodrix & Guarabyra. Enfim, MAIS um grande disco da banda... é o quinto no mesmo nível! Que venha o Grammy.

Post Top Ad

Your Ad Spot