Liderados por Steve Harris, British Lion toca com energia de sobra em Circo Voador esvaziado

Steve Harris e a energia de sempre no palco do Circo [Foto: Amanda Respicio]
Por Leo Coutinho

Parece que todas as pessoas que cercam Steve Harris possuem energia de sobra pra iluminar uma cidade inteira por pelo menos 3 dias. Estamos acostumados a ver o baixista correndo pelos palcos do mundo comandando o Iron Maiden em suas explosivas atuações, e com a British Lion, banda paralela de Steve, não foi diferente.

Num Circo Voador bastante esvaziado, parte pela chuva e parte pela falência que a cena rock and roll do Rio de Janeiro amarga atualmente, a banda começou show com a famosa pontualidade britânica as 22h. Sem a estrutura gigante do Iron Maiden, a British Lion coube tranquilamente no palco do Circo Voador, mas, mesmo cabendo, era notório que Steve Harris é grande demais para palcos menores. Enquanto os acordes de "This Is My God" eram tocados com grande competência por toda banda, Steve já mostrava a disposição de sempre correndo de um lado ao outro do palco, cavalgando seu baixo e cantando junto a Richard Taylor.

A competência da banda, inclusive, é admirável! Apesar de não ter uma voz super potente, o vocalista Richard Taylor é afinado e animado. Os gigantes Grahame Leslie e David Howkins se entendem muito bem com as melodias das guitarras e Simon Dawson é forte e preciso na bateria, formando muito bem a cozinha com o boss.

Com apenas um álbum lançado, esperava-se que o British Lion tocasse covers do Iron Maiden, o que não aconteceu. A verdade é que o segundo álbum da banda está prestes a ser lançado e a banda se fez valer dele, soltando apenas músicas autorais. E o público abraçou o British Lion. A todo momento cantando e vibrando com os membros da banda, o público, mesmo em pequena quantidade, em momento algum pediu qualquer música do Maiden.

Taylor é um bom frontman. Comanda o público com competência e se comunica muito bem. Disse que é um sonho realizado visitar e tocar no Rio de Janeiro pela primeira vez. Entre músicas do álbum de estreia British Lion (2012) e novos sons que estarão presentes no álbum a ser lançado em 2019, a banda foi super cordial e atenciosa com os fãs, conversando, gesticulando e convidando os presentes a se integrarem ao British Lion como se fossem membros da banda.

Perto do final, Taylor informa que o momento do bis chegou, mas que a banda não vai sair e voltar pro palco, vai apenas continuar tocando mais um par de músicas. E foi o que aconteceu. Finalizando com a belíssima "Eyes Of The Young", a banda ganhou o pequeno mas quente público presente e está claro que Steve Harris tem o Toque de Midas e conhece de cor a fórmula para fazer um bom show de heavy metal.

Bruno Eduardo

Jornalista e repórter fotográfico, é editor do site Rock On Board, repórter colaborador no site Midiorama e apresentador do programa "ARNews" e "O Papo é Pop" nas rádios Oceânica FM (105.9) e Planet Rock. Como crítico cultural, foi Editor-chefe e colaborador do Portal Rock Press, e colunista do blog "Discoteca" da editora Abril. Desde 2005 participa das coberturas de grandes festivais como Rock in Rio, Lollapalooza Brasil, Claro Q é Rock, Monsters Of Rock, Abril Pro Rock, Summer Break Festival, Tim Festival, entre outros. Na lista de entrevistados, nomes como Black Sabbath, Aerosmith, Queen, Faith No More, The Offspring, Linkin Park, Legião Urbana e Titãs.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
SOM-NA-CAIXA-2