quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Cinco motivos para não perder o show do Pearl Jam

Foto: Maria Ives

Por Bruno Eduardo

Considerado um dos maiores grupos de rock do mundo e único representante do grunge em atividade desde sua formação, o Pearl Jam volta ao Brasil para sua terceira turnê solo. Com realização da TIME FOR FUN, os shows acontecem este mês, nos dias 11 em Porto Alegre (Arena do Grêmio), 14 em São Paulo (Estádio do Morumbi), 17 em Brasília (Estádio Nacional Mané Garrincha), 20 em Belo Horizonte (Estádio do Mineirão) e 22 no Rio de Janeiro (Estádio do Maracanã). A venda de ingressos para os shows do grupo está sendo realizada pela Internet, nas bilheterias oficiais (São Paulo e Rio de Janeiro – Citibank Hall, Porto Alegre – Multisom, Brasília – Central de Ingressos, Belo Horizonte – Chevrolet Hall) e nos demais pontos de venda do país. Saiba tudo sobre os shows AQUI.

O Rock On Board separou cinco motivos para você não perder essa oportunidade. 

1. Eles são a única banda do grunge em atividade desde os anos 90

O grunge dominou os quatro cantos do mundo nos anos noventa. Mas de todos os grandes expoentes da cena, o Pearl Jam foi o único a não sucumbir diante da pressão mainstream e do sucesso. Com as mortes de Kurt Cobain (Nirvana) e Layne Staley (Alice in Chains), e o fim do Soundgarden, o movimento acabou perdendo força. No entanto, o grupo liderado por Eddie Vedder não ficou refém da máquina e tratou de construir um legado único, regado por filosofia punk rock e introspecção. Com isso, discos como Vitalogy, No Code, Yield e Binaural mantiveram uma legião de fãs cada vez mais fiel e apaixonada. Ao todo, o grupo já vendeu mais de 80 milhões de cópias em todo planeta.

2. O grupo não costuma repetir repertórios

Uma coisa que os fãs de Pearl Jam já sabem é que um show do grupo nunca é igual ao anterior. Eles nunca repetem o repertório duas noites seguidas. A banda afirma ter 200 músicas ensaiadas e que pode trocar mais da metade do setlist de um show para o outro. Como no Brasil são cinco apresentações, teremos provavelmente cinco repertórios distintos. Reza a lenda que Eddie Vedder decide a lista de músicas minutos antes dos shows, após algumas boas taças de vinho.

3. Não vão faltar os clássicos imortais

O fato da banda não repetir as músicas de uma apresentação para a outra não quer dizer que eles deixem os clássicos de fora. Muito pelo contrário. Entre as surpresas, é certo encontrar também algumas pérolas obrigatórias. Como é o caso de "Even Flow", "Black", "Alive", "Do The Evolution", "Daughter", "Corduroy" e dos novos sucessos: "Sirens" e "Mind Your Manners".  

4. Os shows duram mais de duas horas

Os caras do Pearl Jam costumam valorizar suas apresentações com shows longos, que ultrapassam duas horas de duração. Para se ter uma ideia, o último show no Rio de Janeiro, em 2011, contou com trinta músicas e dois bis enormes, com sete canções em cada. Está pensando que os caras brincam? Isso aqui é rock and roll! 

5. Eddie Vedder é o cara!

Com um magnetismo típico de ícones como Bono Vox, e encorpado por uma espiritualidade à Michael Stipe, Eddie Vedder é muito mais do que um vocalista cinquentão. Ele já é uma efígie na história do rock, que surfa em ondas de arte tão efêmera quanto de personagens emblemáticos como Neil Young ou Jimmy Page. Devagar, mas de forma contínua, o vocalista se tornou ícone de uma geração que revolucionou a história do rock. O valor de Eddie Vedder para os dias de hoje é irrefutável, e ultrapassa duas décadas com a firmeza de ídolos consagrados não só pela arte que proporciona, mas principalmente pela mensagem que passa aos seus fiéis seguidores.

0 comentários:

Postar um comentário