quarta-feira, 11 de março de 2015

DISCOS: LIEUTENANT (IF I KILL THIS THING WE'RE ALL GONNA EAT FOR A WEEK)

LIEUTENANT

If I Kill This Thing We're All Gonna Eat For A Week

Dine Alone; 2015

Por Lucas Scaliza




Quando Nate Mendel, o baixista do Foo Fighters, anunciou que lançaria um projeto solo, ninguém pensou que pudesse ser tão surpreendente quanto este If I Kill This Thing We’re All Gonna Eat For a Week. Ao contrário do que todos poderiam imaginar, Nate não colocou seu nome no projeto. Ele preferiu criar uma nova banda, chamada Lieutenant. Como o Foo Fighters é a sua grande fonte de renda, o baixista foi esperto o bastante para se aventurar por outro tipo de som - como faz também mantendo em paralelo a banda Sunny Day Real State

Lieutenant é rock indie. Tem guitarras distorcidas, tem um baixo bem presente e baterias fortes, mas é tudo bonitinho, bem aparadinho e cheio de arranjos ricos e bonitos.


Se você não está por dentro do som feito por bandas de shoegaze e dream pop, o disco do Lieutenant pode ser um choque. Mas um conselho: dê uma chance a este passo alternativo de Nate & Amigos, você pode se surpreender e de quebra expandir seus horizontes para um outro tipo de sonoridade. If I Kill This Thing We're All Gonna Eat For A Week tem nove faixas de muita qualidade, nenhuma acima de 5 minutos, e todas bem construídas. 


Nate usou o estúdio do Foo Fighters na Califórnia para gravar o trabalho e contratou o produtor Toshi Kasai (experiente na cena alternativa). Chamou uma série de convidados especiais: Joe Plummer do Modest Mouse, o colega Jeremy Enigk do Sunny Day Real Estate, o parceiro de Foo Fighters Chris Shifleft e Page Hamilton do Helmet. E ao vivo, Nate convidou gente do Fleet Floxes, Snow Patrol e The Bronx para fazer parte de sua banda, tudo isso no meio da turnê de divulgação de Sonic Highways, o último disco dos Fighters.


Belle Époque” e “Artificial Limbs” são convidativas e aconchegantes, cheias de melodia – bem ao estilo das bandas britânicas e de shoegaze – e também cheias de som. Tem ainda as várias camadas de “Lift the sheet” e da bem alternativa “Sink Sand” - que parece tirada do repertório da St. Vincent; o começo sombrio de “Ratlled” que evolui até um clímax guitarreiro e com uma linha de baixo bem marcada e bem alta na mixagem final; o jeito bem pop de “Prepared Remarks” e a sensação de flutuação da ótima “Believe The Squalor”. Com várias pequenas guinadas interessantes, “The Place You Wanna Go” também chama a atenção. O disco também é repleto de teclados cinematográficos.


Como If I Kill This Thing We’re All Gonna Eat For a Week está cheio de sons e efeitos que completam o sentimento de cada canção, recomendo ouvir com a melhor qualidade que puder encontrar. Um disco muito bom que poderá não entrar em listas de melhores do ano, mas dá o prazer de saber que um artista já estabelecido em uma grande banda não se repete e tenta algo diferente e de qualidade.


Ah, e se Foo Fighters não é sua praia, vai ser uma grata surpresa saber que o Lieutenant tem muito a pouco a ver com aquilo.

0 comentários:

Postar um comentário