segunda-feira, 5 de junho de 2017

Sublime! De volta ao Rio, Steve Vai é mais uma vez impressionante e sobrenatural

Steve Vai entrou no palco iluminado por luzes de neon e laser  (Foto: Luciano Oliveira)
Por Bruno Eduardo

Quem já teve a oportunidade de assistir a mais de um show de Steve Vai na vida, sabe de sua capacidade de sair do convencional para surpreender e hipnotizar a plateia. É realmente impressionante como ele consegue encontrar novos caminhos para um show, que por seu formato, poderia estar facilmente fadado ao previsível. Para ter uma noção, em sua última passagem pelo Brasil, Vai se aventurou com uma orquestra no palco do Rock in Rio num dia totalmente dedicado ao metal. Desta vez, o guitarrista chega para comemorar os 25 anos do álbum 'Passion And Warfare', considerado pelo próprio - em exclusiva ao Rock On Board [assista AQUI] - como o trabalho mais importante de sua carreira.

Após uma referência ao filme 'Crossroads' no telão, o homem da noite subiu no palco vestido com um capuz de prata, com lasers vermelhos piscando e óculos de neon. Parecia realmente ser um personagem oriundo de uma outra galáxia. Mas foi com sua música que Steve Vai mostrou mais uma vez que ele pode ser considerado uma criatura fora de série. Além do dom sobrenatural de tocar guitarra, Vai sabe como deixar uma apresentação atrativa, evitando que ela perca força ou se torne virtuosamente cansativa. O mais legal dessa apresentação, é que ela não se resume a um simples show de virtuose - como acontece com outros grandes nomes da guitarra. Ela esconde muitas surpresas e momentos de interatividade pontuais - principalmente na utilização dos telões. Houve até mesmo um pedido de casamento em cima do palco, logo na terceira canção. 

O show começou com faixas de outros discos famosos de sua carreira, como "Bad Horsie" do consagrado 'Alien Love Secrets', e "The Cryin Machine" do ótimo 'Fire Garden', lançado em 1995. Mas vale destacar a ótima "Gravity Storm", com levada hard rock pesadona, e que faz parte de seu penúltimo trabalho de estúdio ('The Story Of Light'), mostrando que ele continua compondo coisas relevantes. 

Uma grande novidade deste show foi a participação especial de algumas lendas da guitarra por meio do telão que se encontrava no fundo do palco. Brian May (Queen) foi o primeiro a se juntar a Vai em "Liberty", faixa de abertura do disco 'Passion and Warfare'. O ex-professor e amigo, Joe Satriani, fez a dobradinha em "Answers"; e como não poderia faltar, John Petrucci, do Dream Theater, também pintou no telão para um dueto primoroso em "The Audience is Listening". Steve Vai também não deixou de homenagear Frank Zappa, que foi o guitarrista que o apresentou ao mundo no início dos anos 80. Para uma plateia cheia amantes da guitarra (e muitos guitarristas presentes), a possibilidade de assistir a um número com a contribuição de alguns dos maiores nomes desse instrumento, é como participar de um verdadeiro simpósio - do melhor que possa existir no planeta, talvez.

Acompanhado de um time de músicos extraordinariamente versáteis, Steve Vai conseguiu produzir um espetáculo altamente entretedor, de nível técnico indiscutível e que demonstra a relevância do álbum 'Passion and Warfare' como um trabalho a frente do seu tempo. Comprovado principalmente no hino emotivo "For The Love Of God" e na quase-progressiva "The Riddle". Munido do carisma e simpatia de Vai, o show desta noite entra para a história do Imperator como um dos melhores números musicais e audiovisuais que a casa recebeu em muitos anos de vida. Sublime!

Assista Steve Vai tocando 'For The Love Of God' no Imperator

Abaixo, você assiste ao Vlog do brother Gustavo Canine, com algumas considerações do show e o vídeo de Steve Vai tocando na íntegra as faixas "Ballerina" e "For The Love Of God" no Imperator.



Bruno Eduardo, 38 anos, jornalista e repórter fotográfico, é editor do site Rock On Board, repórter colaborador no site Midiorama e apresentador do programa Arariboia Rock News nas rádios Oceânica FM (105.9) e Planet Rock. Como crítico cultural, foi Editor-chefe e colaborador do Portal Rock Press, e colunista do blog "Discoteca Básica" da editora Abril. Desde 2005 participa das coberturas oficiais de grandes festivais como Rock in Rio, Lollapalooza Brasil, Claro Q é Rock, Monsters Of Rock, Abril Pro Rock, Summer Break Festival, Tim Festival, entre outros. Na lista de entrevistados, nomes como Black Sabbath, Aerosmith, Faith No More, The Offspring e Titãs.

0 comentários:

Postar um comentário