Header Ads

test

DISCOS: PAPA ROACH (F.E.A.R.)

Foto: Divulgação
Fincado no hard rock atual, Papa Roach retorna bom disco

PAPA ROACH

F.E.A.R.

Eleven Seven Music; 2015

Por Bruno Eduardo


Nu-metal? Alguém sabe o que é isso? Com o lançamento de Infest, no início da década passada, o Papa Roach surgiu com uma boa alternativa ao gênero - possuíam riffs de guitarra à la Iron Maiden e vocais rap. Curiosamente, o sucesso estrondoso da banda nos mercados americano e europeu nunca chegou ao Brasil. Mantendo uma tendência natural das bandas sobreviventes do nu-metal, eles decidiram pular fora do estilo já no segundo trabalho. Trocaram os ADIDAS pelos jeans rasgados, e na carona do hard rock, atingiram maturidade sonora em Getting Away With Murderer (lançado em 2005). 

Dando sequência ao ótimo The Connection (2012), o grupo volta a investir pesado em teclados e sintetizadores. O oitavo trabalho de estúdio, F.E.A.R., confirma a pré-disposição da banda em se aventurar por novos territórios. Do eletrônico infundido de "Face Everything And Rise" ao surf melódico de "Love Me Till It Hurts", o Papa Roach amplia mais uma vez os seus horizontes com um disco redondamente radiofônico. Não me interpretem mal, mas o álbum possui refrões amplos, pegajosos e emocionalmente "apelativos". Jaccoby Shaddix (antes Coby Dick), com visual exagerado, é hoje um vocalista dos bons (um dos melhores da praça, atualmente). A sua infância traumática já está superada. Agora, Coby fala de desilusões amorosas, regressões sentimentais, e superação. Não há também como desprezar o excelente trabalho de guitarras de Jerry Horton.


Musicalmente falando, os destaques do "novo" Papa Roach são as fortíssimas "Skeletons" e "Fear Hate Love". Com teclados e melodia flertada de um Nine Inch Nails (anos 2000), o grupo acerta em cheio em "Warriors", mas escorrega também, ao tentar avançar por um caminho exageradamente descartável em "Gravity". Considerando o final dos anos noventa, onde a maioria de seus contemporâneos foram extintos, o Papa Roach mantém persistência saudável em mais um consistente trabalho.


Um comentário: