Quebrou tudo! Suicidal Tendencies faz show devastador com Dave Lombardo no Imperator

Foto: Rodrigo Simas/ARTS Live Frames
Mike Muir mandou recado aos políticos brasileiros em noite inesquecível no Rio
Por Rom Jom

Quem compareceu ao Imperator na última quinta-feira para assistir um verdadeiro show de hardcore skate protagonizado por nada mais do que Suicidal Tendencies teve o que procurava. A casa não se encontrava tão cheia, porém, contava com a verdadeira “suicidal family” no qual atingia todas as gerações. E a noite prometia ser uma grande surpresa para todos.

Sem delongas, Mike Muir entrou no palco acompanhando dos seus amigos de banda e executou sem dó a acelerada - e forte - “You Can’t Brig Me Down”. O público reagiu com uma roda de pogo que tomava a maior parte da pista. Não podemos deixar de registrar também, que quem acompanha a banda na bateria nesta turnê é Dave Lombardo, um dos fundadores do Slayer. A técnica de Lombardo se encaixa perfeitamente à rapidez das músicas do Suicidal. Isso ficou nítido em “Freedumb”, por exemplo, onde teve até espaço para uma parada com pedal duplo. Evidente que não o crossover do ST não tem nada a ver com o thrash metal que ele segurou por anos no Slayer ou o grindcore apresentado em bandas como Fantômas (que ele é o baterista original), mas o crescimento sonoro imposto pelo baterista veio forte na rapidez de “I Shot Reagan” e na dobradinha feroz de “War Inside my Head” / “Subliminal”. O público pôde sentir este feeling contagiante por toda a apresentação que teve o conjunto de guitarras pesadas da dupla Dean Pleasants e Jeff Pogan e o groove de Ra Diaz no baixo - o chileno tentou interagir com o público em vários momentos utilizando um “portunhol”.
Foto: Rodrigo Simas/ARTS Live Frames
Dave Lombardo (fundo) comandou a locomotiva sonora do Suicidal Tendencies
Mike, o único membro original da banda, comanda como ninguém a animação e o discurso político. Sim, teve até um recado para os políticos brasileiros: “Vocês merecem ter um país digno e com políticos melhores! Não devem ser famosos somente por ser o país das olimpíadas ou copa do Mundo”, disse antes de “Clap Like Ozzy”, faixa do último, e bom CD: 'World Gone Mad', lançado no ano passado.

Em “I Saw Your Mommy” o público é convidado a subir no palco e tudo o que acontecia no chão foi para o palco - incluindo uma roda de pogo. Um momento marcante para muitos que puderam assistir Mike ao lado de Dave descendo a mão na bateria. Após o fim todo mundo retornou aos seus lugares e ainda foram presenteados com “Cyco Vision” – muito mais rápida que a versão original. Ainda teve a antológica “How Will Laught Tomorrow” antes de “Pledge Your Allegiance” finalizar a apresentação onde o público mais um a vez foi convidado ao palco para ficar com a banda, desta vez até o show ser finalizado.

Depois de toda essa festa foi bem fácil ver a satisfação do público. Não importa quantas vezes alguém já viu uma apresentação do Suicidal Tendencies, porque, por experiência, eles sempre irão surpreender. 

Bruno Eduardo

Jornalista e repórter fotográfico, é editor do site Rock On Board, repórter colaborador no site Midiorama e apresentador do programa "ARNews" e "O Papo é Pop" nas rádios Oceânica FM (105.9) e Planet Rock. Como crítico cultural, foi Editor-chefe e colaborador do Portal Rock Press, e colunista do blog "Discoteca" da editora Abril. Desde 2005 participa das coberturas de grandes festivais como Rock in Rio, Lollapalooza Brasil, Claro Q é Rock, Monsters Of Rock, Abril Pro Rock, Summer Break Festival, Tim Festival, entre outros. Na lista de entrevistados, nomes como Black Sabbath, Aerosmith, Queen, Faith No More, The Offspring, Linkin Park, Legião Urbana e Titãs.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
SOM-NA-CAIXA-2