Header Ads

Armada volta com artilharia pesada nas letras e edição limitada em EP colorido


Por  Ricardo Alfredo Flávio 

Depois do lançamento do elogiado álbum de estreia, “Bandeira Negra” (HBB Records – 2018), a ARMADA, banda formada na esteira do fim do BLIND PIGS, pelos seus ex-integrantes Henrike Baliú (voz), Alexandre Galindo (guitarra), Mauro Tracco (baixo), Arnaldo Rogano (bateria) e completada por Ricardo Galano, guitarrista do NÃO HÁ MAIS VOLTA, lança o EP “Ditadura Assassina”, um excelente lembrete para parte da população e do atual governo que acham coerente normalizar uma possível reedição do sanguinário AI-5.

“A ditadura militar brasileira foi cruel e assassina, sim! E é uma vergonha ver figuras políticas louvando torturadores e pedindo a volta do AI-5. É triste ver uma parte da população pedir intervenção militar no Brasil”, diz Henrike Baliú na divulgação deste trabalho.

“Ditadura Assassina” foi lançado no dia 04/12/2019, em todas as plataformas digitais e no formato vinil colorido de 7”, com edição limitada de 250 cópias numeradas, pela Neves Records, de Santa Bárbara D’Oeste – SP, e trás duas canções de protesto muito bem vindas no atual cenário brasileiro. O EP tem bela capa, obra do artista brasiliense Paulo Rocker, que trás referências da ditadura militar brasileira, no formato HQ.



Quanto às duas faixas, o vocalista Henrike as explica assim: “’A Rua de Trás’ é uma música sobre ser criado no Brasil dos anos de chumbo e faz um paralelo com os dias atuais. ’Nas Trincheiras’ é a história em primeira pessoa de um jovem soldado enviado para lutar na guerra, onde perde a inocência da juventude e testemunha os horrores que o homem comete contra os seus similares”.

O Brasil está muito acomodado, aceitando passivamente todos os absurdos vindos diariamente do governo e do gado que o acompanha e quem faz arte tem importância ímpar no necessário grito de liberdade que os inconformados clamam! ARMADA mandou bem, e que venha novo álbum de inéditas mantendo a postura. Precisamos disso, todos nós.

Nenhum comentário: