Header Ads

'Bohemian Rhapsody' coloca ex-empresário de Freddie Mercury como grande vilão do filme

Filme que conta a história de Freddie Mercury está em cartaz nos cinemas
Por Bruno Eduardo

'Bohemian Rhapsody', que acaba de chegar aos cinemas do mundo inteiro, funciona como um filme biográfico sobre o lendário vocalista do Queen, Freddie Mercury. Mas como qualquer filme de Hollywood, ele sai um pouco do lado biográfico e segue para um roteiro emocional e com tramas a serem resolvidas, para que assim como de praxe, reserve o tão esperado final feliz. Com isso, o roteiro do longa toma liberdade para trazer uma história de vida mais dramática de Mercury, e, bem mais parecida com um filme sessão da tarde (mesmo assim, é um bom entretenimento). E para isso funcionar, é necessário a presença de um vilão. Esse papel é amplamente preenchido por Paul Prenter (Allen Leech), ex-empresário e amigo particular de Freddie.

Prenter conheceu Freddie Mercury em um bar no ano de 1975, e acabou tornando-se seu empresário em 1977. Em algum momento durante esse período, Prenter e Mercury tiveram um relacionamento sexual - algo que Prenter mais tarde supostamente usou para chantagear Mercury (essa cena aparece no filme que chega às telonas). Acreditava-se que a relação de negócios deles funcionou de forma positiva nos primeiros cinco anos, mas as coisas começaram a sair da curva em 1982.

Pelo fato de 'Bohemian Rhapsody' ter contado com a participação dos integrantes do Queen, fica bastante evidente as mágoas de Brian e Taylor com a influência de Paul Prenter sobre Mercury. O filme faz questão de mostrar que ele e o restante da banda não se gostavam. Há inclusive relatos reais de que Brian May e Roger Taylor teriam culpado Paul Prenter pelo resultado não satisfatório no disco Hot Space, de 1982. De acordo com os membros da banda, Prenter influenciou Mercury a manter a sonoridade do álbum, que não agradou o restante do Queen.

No filme, Mercury finalmente demite Prenter em 1985, após o mesmo não ter informado ao astro do rock que o Queen teria sido convidado para se apresentar no icônico Live Aid. Em retaliação, o ex-empresário teria dado uma entrevista na televisão tentando difamar Freddie. Tudo isso, lógico, baseado num roteiro dramatúrgico, pois na realidade mesmo, Prenter foi demitido no ano seguinte, após o Live Aid e não houve uma entrevista na TV. O que Prenter teria feito de verdade, foi vender uma história para o tablóide The Sun em 1987, onde revelou a sexualidade de Mercury, e também divulgou o relacionamento do cantor com Jim Hutton.

Infelizmente, Paul Prenter não poderá dar a sua opinião sobre os acontecimentos mostrados no filme, já que ele também morreu por complicações de AIDS em 1991 - mesmo ano de falecimento do cantor Freddie Mercury. Saiba mais sobre o filme no vídeo abaixo.

Nenhum comentário: