Header Ads

test

Kadavar: Jovens alemães trazem o melhor "rock velho" para o Brasil. E isso é imperdível!

Kadavar traz seu rock influenciado pelos anos 70 ao Brasil
Por Eduardo Abreu

Os integrantes do trio alemão Kadavar têm por volta de 30 anos de idade, mas aparentam bem mais. Com a cabeça no hard rock clássico da década de 1970 e nos primórdios do doom e do space rock, exemplificam o paradoxo de se fazer rock em 2018. E vão fundo na viagem: ostentam também longas barbas e cabeleiras, e vestem-se com casacos, chapéus e coletes reminiscentes da década de seus heróis. É no passado analógico que estão as referências do rock’n’roll glorioso que reprocessam com grande convicção.

Christoph Lindemann, conhecido como Lupus, é o guitarrista e vocalista do Kadavar. Nasceu em 1986 em um vilarejo próximo de Berlim, mas do outro lado do muro. Tem poucas recordações da Alemanha pré-unificação, mas cresceu com toda a herança do isolamento e da falta de referências ocidentais que grassavam do lado comunista. De um jeito enviesado, conheceu Metallica e Iron Maiden através de um primo rebelde, muito antes de, aos 17 ou 18 anos, descobrir os Rolling Stones. Zarpou para Berlim na adolescência, trabalhou em clubes agendando shows e logo fez todas as conexões que o colocaram na rota de criar o que seria uma das mais interessantes bandas de rock da Alemanha.

Seu xará e grande comparsa musical, o baterista Christoph Bartelt, vulgo Tiger, é obcecado pelos Beatles e pela sonoridade dos anos 60 e 70. Mas isso não foi garantia de combinarem as ideias logo de início. Lindemann garante que o embrião do Kadavar, que à época contava ainda com o baixista Phillip Lippitz, era um preguiçoso e entediante arremedo de Black Rebel Motorcycle Club. As melodias que Lindemann apresentou para a dupla foram a gênese do que veio a se tornar essa máquina bem azeitada de peso, groove e riffs setentistas.

Sob contrato com a Nuclear Blast, gravadora independente alemã com um elenco estelar formado por gente como Slayer, Anthrax, Ministry, The Exploited e Discharge, e que, até por isso, tornou-se a empresa que mais paga impostos na cidade de Donzdorf, o Kadavar está rodando o mundo para divulgar seu álbum “Rough Times”, lançado em 2017. 

O disco vem na esteira do expecional “Berlin”, que chegou ao top 20 da parada alemã e apresentou a banda abrindo o leque de boas referências, como na belíssima regravação de “Reich Der Träumme”, balada sombria da cantora Nico (sim, aquela do Velvet Underground).

Agora a boa notícia:

Com produção nacional da Abraxas e Headbanger Produções, a nova turnê do Kadavar no Brasil começa dia 27/02 em Santa Maria (Rio Grande do Sul) e depois segue para Belo Horizonte (Minas Gerais) para show no dia 1º de março. Os próximos compromissos acontecem em Florianópolis (Santa Catarina) no dia 2/03, em São Paulo (SP) no dia 3/03 e, para encerrar em grande estilo, dia 4/03 no Rio de Janeiro (RJ), como atração principal da terceira edição do Hocus Pocus Festival, em parceria com a renomada cervejaria Hocus Pocus.

Se eu fosse você, não perderia por nada.
KADAVAR EM SÃO PAULO
Data: 03 de março, sábado
Local: Fabrique Club
Endereço: Rua Barra Funda, 1071 - Barra Funda
2º lote antecipado promocional: R$ 90 
(até a véspera do show, online ou nos pontos de venda)
Na hora: R$ 110 meia / R$ 220 inteira.
Saiba mais em: 
https://www.facebook.com/events/188512061711938/
Classificação etária: 16 anos.

Nenhum comentário: