domingo, 19 de outubro de 2014

Há 23 anos o Pantera chegava ao auge da brutalidade com Far Beyond Driven

Foto: Pantera / Far Beyond Driven
Polêmica capa de Far Beyond Driven com uma broca perfurando um crânio
Por Bruno Eduardo

Em 1994 o Pantera lançou Far Beyond Driven, seu trabalho mais consistente e pesado. 


Quando você analisa a evolução do Pantera desde que eram uma banda de power metal, você constata que 1994 foi um ano de globalização para o grupo. Após passar por seus dois trabalhos mais comerciais (Cowboys From Hell  e  Vulgar Display of Power), a banda chegou a um formato único, característico, e que até hoje nunca foi replicado. Seus álbuns - cada um deles - são dotados de uma fórmula implacável, não conformista, que dispensa truques e atitude fake. Vinte anos depois, não conseguimos enxergar bandas que representem esse espírito evocado pelo Pantera entre 1990 e 1994. Infelizmente, a morte do guitarrista Dimebag Darrell, em 2004, foi o último golpe do destino - evitando que houvesse assim, qualquer reminiscência nostálgica no futuro.


Far Beyond Driven talvez não seja o trabalho mais popular do Pantera, mas por conta de dois notáveis ​​singles - "I'm Broken" e "5 Minutes Alone" - e sua alta veiculação na MTV, este disco acaba por marcar de forma definitiva a chegada do grupo ao topo do mainstream mundial. Ele alcançou o 1º lugar da Billboard - fato inédito para uma banda do gênero - e foi responsável por uma disputada temporada entre produtores do mundo inteiro (na época eles faziam mais de 200 shows por ano). Mas nem tudo foram flores: o grupo se envolveu em uma briga com jornalistas da Kerrang e Phil Anselmo foi julgado por agredir um segurança que impediu um fã de subir no palco durante a turnê. Anselmo também vinha tendo problemas com drogas e inclusive admitiu ter composto o álbum sob efeito de medicamentos e heroína. Segundo ele, essa composição química era a única maneira de aliviar um período de dor, provocado por uma doença na coluna vertebral. Talvez por isso, as letras de Far Beyond Driven são demasiadamente pessoais, o que deu um caráter mais intimista ao trabalho e ajudou a elevar o carisma de Anselmo. Um exemplo disso é a faixa "25 Years" - baseada na história de vida do vocalista, na época com vinte cinco anos de idade. É deste álbum também, a primeira faixa cover lançada pelo Pantera. Eles gravaram "Planet Caravan" - uma releitura para o épico do Sabbath - que serviu apenas como uma espécie de cereja no bolo. 


Far Beyond Driven é uma agressão sonora, com riffs marcantes, sonoridade crua, e que mantém a simplicidade divina do disco anterior, Vulgar Display Of Power. Ouça "Slaughtered", "Becoming" ou o riff maciço de "Strenght Beyond Strenght" - obras tão matadoras quanto a broca que ilustra a capa do disco. Este também pode ser considerado um álbum icônico para o desenvolvimento do metal na década seguinte. É notória a influência melódica de Phil Anselmo nos melhores vocalistas de metal da atualidade - como Corey Taylor, por exemplo. Só que em Far Beyond Driven, o Pantera consegue transmitir de forma direta o que bandas como Slipknot fazem de forma espalhafatosa. Em cima de todas as teorias que desmembram o metal moderno, fica cada vez mais evidente o quão insuperável era o Pantera no ano de 1994. 


REMASTERIZADO


Para comemorar os vinte anos do álbum, foi lançada uma edição especial, com as canções originais remasterizadas e um disco bônus com faixas tiradas do clássico show em Donnington. A Rhino Records lançou também o álbum em vinil, mantendo a capa original - censurada na época. 



0 comentários:

Postar um comentário